03 outubro 2008

Para ver as meninas brotando

Só quero dizer a você que te deixo e por mais que eu te queira demais, a vida não gosta de esperar, a vida é pra valer, a vida é pra levar. A você, só quero que continue aí, lendo Dulce Veiga e testando os limites desse jogo de palavras pr’eu te descobrir aos poucos, leveza, confissão, impulso, ficar olhando e imaginar coisas que aconteceriam se. A você, ruiva, poxa, volta pra cá, te acolhe no meu ombro e aprende que é tudo um puta banho de água fria. A você, voa alto, voa imensamente alto e alcança os pontos onde eu ainda não consegui tocar - por você, tudo é passo, tudo eu posso. A você, mostra as pernas de novo nesse short xadrez, vai, deixa os pés descalços e as sandálias jogadas, me fala de Libra como quem conhece meu zodíaco interno. A você, clareante, toma todos os meus tons de vermelho pra tua felicidade. A você, saia daqui, gente inconveniente não se abriga. A você que não m’escuta mais, acorda e vai engolir o mundo, agora! A você que nunca vai saber, eu te espreito todos os dias, uma atriz sabe o que faz e disfarça vontades. A você, a viagem mais importante de todas, quando descobri que anjos vivem em São Paulo. A você, vamos deitar na grama e abraçar em todos os domingos até a velhice do corpo, ser Velma e Roxy em noites cheias de cor. A você, fecha os olhos, cai inteira, sem culpa e sem medo nessa coisa de se apaixonar - é que dor de amor não dói. A você, ô, a você eu só tenho a agradecer porque entendi mais de ser feliz, real, completa e simples depois que você apareceu. A você, quero que entenda que sentimento pela metade não se aceita. A você que transcendeu, todas as vezes em que precisei lembrar que você ainda existe em mim pr'eu continuar vivendo. A você, loucureia, morena, loucureia! A você, leãozinho, me dá mais do teu sorriso, dos teus colares e da tua poesia, eu te cubro de calor. A você, o nascer e o pôr-do-sol, porque os teus cabelos loiros fazem o céu ter mais leveza e importância. A você, a gente ainda canta Cartola num boteco qualquer do país. A você, não jogue a culpa em mim pela tua ausência. A você, desculpa os meus maus-jeitos e os meus sumiços. A você, faz voltar pra mim, a tua voz suave e calma? A você, agüenta firme e continua em pé, eu te seguro forte. A você, todas as palavras que eu nunca vou conseguir dizer. A você, guardados, todos os meus livros e flores de quinze anos atrás. A você, todas as nossas doses de tequila, todos os nossos brindes durante todos esses anos lindos que você me deu e os dias de hoje que você me dá. A você, algumas saudades que eu não assumo, por puro orgulho – ou desistência. A você, muitas coisas pra contar e vários conselhos pra pedir, quero te mostrar que a porra-louca permaneceu. A você, o meu beijo de verdade e a única bossa que eu fiz nessa vida, mesmo que as coisas não terminem em samba.

39 comentários:

Filipe Garcia disse...

Oi Nina,

bonito seus retalhos de lembrança que foram se unindo e transformando em retrato real até demais. Sua poesia borrada de saudade, sentimento nostálgico, traz vontade de estar perto de um amor longe. Lembrei de uma música do Teatro Mágico: "Certo é estar perto sem estar".

É luz tudo o que escreve. Banho pra alma.

Beijo nocê, trovadora.

Larissa disse...

e viva o amor, a intensidade do momento... a vida!

Thaís Nóbrega disse...

"A você, algumas saudades que eu não assumo, por puro orgulho – ou desistência"


como tu consegue tirar justamente as palavras que tão aqui dentro?
tava com saudade de ver teus escritos por aqui! :)

beeeijo, ni =*

Irina disse...

isso parece ser contagioso.



[como anda curita, apesar de tudo?]

Mayara disse...

retalhos de nina
retalhos que eu sempre vou guardar pra remendar o meu coração...

saudades de você!

a clara menina Clara disse...

A você, meNina, meus tons de azuis para compor teu céu. Um bom samba de Cartola e um sorriso vermelho pulsante.

Brilha, meNina, brilha!

Claudia Lis disse...

Oi,

*Espero que ainda tenha um cantinho para o meu comentário também.

Nem sei se já falei isso por aqui, mas gosto do visual intenso que os seus textos adquirem pela sua forma de postar, sem pular linhas. Eles ficam carregados o suficiente para traduzir a essência das suas palavras.

E sim, deu para ver as meninas brotando e brotando em lugar de muito vento para ficarem sempre em grandes movimentos.

Saudades daqui Nina. E desculpa a ausência, mas o ano está complicado. Mesmo assim está no meu coração.

Beijão

_peron. disse...

sinto saudades suas

Insolente disse...

que coisa mais linda, nem devia acabar...
e termina absoluto: "a você, o meu beijo de verdade e a única bossa que eu fiz nessa vida, mesmo que as coisas não terminem em samba".

Laís Eva disse...

e num é que encontro um belo dum texto blogueando por aí.

inspirante. belo!

obrigada pelos lindos minutinhos!

=)

enailuj disse...

sambaleando docemente... :)

Lais Mouriê disse...

Belo, belo, belo!

Irina disse...

bonitas mesmo as minhas fadinhas. na verdade eu sou a fadinha delas... eu sou meio cupida, sabia? é por isso que não dou certo com ninguém, "na casa do ferreiro"...

Clara Mazini disse...

Mas pra fazer um samba com beleza, é preciso um bocado de tristeza. É preciso um bocado de tristeza, senão não se faz um samba, não...

Adoro ler o que você tem pra contar. O embalo de cada linha me encanta e canta baixinho, de um jeito bom que só!

Larissa Santiago disse...

eu venho aqui só pra sentir esse aperto bom no peito que dá quando chego na "unica bossa que eu fiz nessa vida..."

lindo poema de amor!
beijos

hosana disse...

lindo texto!
parabéns!

Carol disse...

Lindo, lindo, lindo!
Toda vez que passo por aqui fico feliz!

Bjs

Anna Bueno disse...

O amor pelo amor sem nada em troca, só a dor gostosa de ter amado... Lindo, muito lindo!

Thais Goetz disse...

Que lindo! ^^

Anna Bueno disse...

"A você, ô, a você eu só tenho a agradecer porque entendi mais de ser feliz, real, completa e simples depois que você apareceu. A você, quero que entenda que sentimento pela metade não se aceita."
Isso era pra ser meu sabia??rsrs cabe certinho no meu momento. To amando o que vc escreve.

carolina disse...

A você, todas as palavras que eu nunca vou conseguir dizer.
É bem o que quero gritar e esse texto engloba todas as outras palavras. Fantástico, Fantástico!

doloridocolorido disse...

emudecida...

Larissa Santiago disse...

eu venho aqui e parece que essa poesia muda... toda vez me diz uma coisa diferente!

N. disse...

num é a poesia que muda, moça. é o mundo dentro de quem lê que gira.

a você toda minha verdade torta e um feliz natal quase atrasado...

.duas doses de desdém - Gui disse...

Me apaixonando pelo teu blog!

:)

beijos

Juliana disse...

Você tem uma doçura apaixonante, só sua....
Foi bom voltar aqui
beijos

*Mari* disse...

nem fala que tem blog.

amei.

saudades sempre.

amo.

Priscila Petrarca disse...

maravilhoso!

Rayane disse...

Vc não escreveu, sem esforços disse o que muita gente ou ninguém quisesse ou pudesse ouvir. Como palavras de manhãs nubladas e cheiro de saudade que dói, que cresce.
Belíssimo texto!

http://oladoquentedoser.blogspot.com/

Palomilla . disse...

Retalhos pequenos, delicados.. grandes na alma.. Bonito!

bossa_velha disse...

como escreves lindo!

João Romova disse...

Teus gritos foram os meus...

LUIS FERNANDO DE ASSIS disse...

Que bonito! Uma pluma que evola-se plena.

Fernanda Cozendey disse...

a poesia em prosa;
o amor em verso,
a saudade em palavras.
a você; ah.

disse...

"Só quero dizer a você que te deixo e por mais que eu te queira demais, a vida não gosta de esperar, a vida é pra valer, a vida é pra levar."

(...) é, é.
Engraçado como leio-me aqui as vezes..

Andressa disse...

Creio que só consigo comentar com minha cara de encanto.

Dane disse...

Taaaanta lindeza num ser só!
Comecei bem o feriado com essa prazerosa leitura! :*

Dane disse...

Taaaanta lindeza num ser só!
Comecei bem o feriado com essa prazerosa leitura! :*

Dane disse...

Taaaanta lindeza num ser só!
Comecei bem o feriado com essa prazerosa leitura! :*