28 julho 2008

Oh Lord, won’t you buy me?

Eu deveria abrir a vodka e ligar trust in me, baby, give me time, gimme time, please, a littlemore time bem alto, mas preferi parar de beber e entregar os pontos. Tem gritos que o álcool não sufoca, a gente toma mais e não importa se o chão é a rua ou o jardim de casa. Não importa, a embriaguez é a mesma e a tontura de viver permanece em que estado for. A única diferença perceptível fica escancarada no rosto: pessoas sãs tornam-se menos filosóficas. O tempo não permite que existam divagações, a vida quer ser vivida e é o que se deve.

Tanto que cansei, fecho os olhos e a alma fatigada, vou pra cama e acordo só no dia seguinte. Renovo, sorrio, transbordo e recrio, viva o suco. Viva Caio de cada dia, toda manhã é um dia novo que cai em mim. Eu tombo e decido: amanhã não bebo mais. Não me seguraram ontem, o tombo doeu na carne, mas não foi a coisa mais dolorida que m’aconteceu, que pena. Palavra dói mais que asfalto de rua na pele.

Descobri que não gosto mais de chicletes coloridos em dia de sol, nem de paçoquinhas a qualquer hora. Descobri que não entendo nada de literatura e sinto receio de Nelson Rodrigues. Descobri que há certas coisas fortes que não precisam ser ditas com tanta dureza, é sempre bonito ter pitadas de sonho no que se faz, embora sonhos cansem, um dia. Descobri que sonhei e cansei.

Friozinho, algumas folgas no trabalho e cachecóis dispostos a sair do armário. Paredes precisando de pintura nova e eu, cheia de preguiça de pintar. Apagar coisas antigas não exige tempo ou prática, mas sim, disposição. Há letras que apagam sozinhas e somem num passo de mágica de dentro da gente. São clicks instantâneos em quê.

Sem mais babaquice, mulher, que a Mercedes Benz da Janis tá passando pra te pegar.

(Dezenove de Abril de 2008.)

17 comentários:

a menina ridícula disse...

já faz um tempão!

patriciahh disse...

Mas receio do Nelson?!?!?!?!?!
oh, Lord!
Eu sabia q você não ia amar as durezas todas que ele conta, mas a vida é dura, baby. No mais, é tudo como ele mesmo disse certa vez:"tudo é falta de amor".
Se o mundo fosse assim um tantinho mais bonito, talvez as quedas que a gente leva depois dos sonhos não doessem tanto...talvez...
Acontece que o mundo é ruim e os dias, quando não são cinzas, acabam sempre em noite. E há rosas que têm as hastes de arame farpado...

a clara menina Clara disse...

Descobri que sonhei e cansei.
Aí eu fui viver.

Tantos beijos!

Bruno disse...

De vez em quando ele vem e pega a gente de jeito, o inverno (com toda a licença poética da palavra).

Mayara disse...

viver doi...você da topas o tempo inteiro e pesado

agora sonhar...

Clara Mazini disse...

Eu quero uma carona, então!

bigalu disse...

eu acho muito proveitoso quando vc bebe... vc fala as coisas de um jeito tão mais neutro.

bigalu disse...

e não pinta não... pelo menos não tudo, só uma parte...senão deixa de ser vc

fellipe disse...

sem essa pitada de sonho, me parece que tudo perde um pouco o sentido. li hoje, lá pela 1h da madrugada, na porta do bar: só viver é que é viver.

abraços Nina
,)

Mr. Ziggy disse...

Que delícia, esse seu texto. Sabe, acho muito leval quando tenho meus dias de aprender mais com a vida, de enxergá-la com novos olhos, de forma mais prática e aceitar essas mudanças, abrir-me pro novo. Isso é edificante, né? Adorei seu texto, nina! O mais sábio deles que li até hoje. Meu beijo,
Ziggy

Marcela disse...

eu tenho um pouco de medo do Nelson Rodrigues, a mulher dele devia sofrer... alias, ele tinha mulher?

Junkie careta disse...

Gostei muito dos toques mais concretos dados à sua prosa. Ela fica mais perto quando você escreve assim,aproxima mais a poesia do cotidiano.
Você é um talento.

Quando tiver um tempinho, passe lá no Spleen rosa chumbo. Tô rasgando o meu coração pros amigos verem, só pra exorcizar.

Grande abraço

P.S.ah, vc não se cansou não, se não, você jamais estaria escrevendo

Marcelino Rodriguez disse...

Acho que vou gostar de conhecer mais isso aqui.

Larissa Santiago disse...

ahhhh, amo chicletes!
;)

Aline Tolotti disse...

Adorei o tempero do teu enredo.
Está adicionada lá no meu blog.
Bjos.

Bruno disse...

Nossa, Nina, obrigado mesmo pelos comentários lá no Acepipes. E fico feliz que minha carta tenha te tocado de alguma forma. Sabe que eu estava meio com medo de publicar, mas no fim valeu a pena ter postado aquilo só para ler comentários como o seu.

E, ah, poxa, volta a escrever, vai...

Lais Mouriê disse...

Oh Lord! Que saudade desse mundo mágico daqui!
Bjaaaao, e viva o Caio de cada dia.